quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Perspectiva humanista na educação. Thomas Gordon para pais

Faz algum tempo que penso em escrever sobre educação na perspectiva humanista. De fato, vejo muita gente da área de educação, seja professores, professores de creche e mesmo pesquisadores, revistas sobre educação de bebê mas muito pouco se discute na perspectiva humanista no Brasil e ainda menos se age conforme essa perspectiva. Só se houve a palavra OBEDECER. Quando não for obedecer aparece um "OBEDECE"! Parece obstinação. Quando ouço "OBEDECER" entendo principalmente EMBURRECER. Consiste em fazer algo aceitável IMEDIATAMENTE e sem ENTENDER NADA! Tem mais a ver com a pressa dos pais do que com educar os filhos.
Quando se fala da educação dos filhos, muita gente acredita que o que importa é o filho obedecer! Evidentemente numa perspectiva comportamentalista, não precisa-se analisar muita coisa e nem saber como funciona ou se forma a mente de um bebê ou uma criança. Tudo é simplificado e faz sentido para muita gente. É o "bom senso".
Infelizmente, é um grande erro.
Nesse primeiro artigo sobre humanismo recomendo aos pais ou futuros pais a ler o livro de A EFICÁCIA NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS de Thomas Gordon que avalia a crença popular de que as crianças precisam de ser disciplinadas pelos pais e professores. Ele analise que nos livros publicados pelos defensores da disciplina, existem contradições, erros  semânticos. Ele analise e aprofunda o sentido dos termos como disciplina, autoridade, poder e controlo. Ele explique detalhadamente os problemas relacionados com punição e a recompensa que são ineficazes e potencialmente perigosas para a saúde física e mental das crianças. Finalmente, e tendo como base estudos, ele propõe propostas alternativas à disciplina das crianças. Estas incluem métodos que encorajam a participação das crianças no estabelecimento de regras no seio da família e na escola, métodos que motivam as crianças a resolver os seus problemas e a controlarem o seu comportamento em consideração pelas necessidades dos outros, e ainda propõe um método de resolução dos conflitos adulto-criança, que não se baseia na autoridade dos pais, de forma a que nenhuma das partes envolvidas perca.
Thomas Gordon tem influência Rogeriana, tal como a Comunicação Não Violenta mas, curiosamente, me parece muito ausente do Brasil. Desde jovem muitos brasileiros aprendem a se submeter a educação autoritária o que obviamente os prepara a aceitar outros autoritarismos exceto se conseguem "sobreviver" ao autoritarismo dos pais que evidentemente tem diversos graus de intensidade...
 
Esse texto foi uma adaptação do resumo de um artigo de Thomas Gordon na Revista portuguesa de Estudos Rogerianos No 2 Outono – Novembro 1998 (cf
www.appcpc.com/wp-content/uploads/2013/04/revista02.pdf).
 
Quem quer conhecer algumas ideias do livro A EFICÁCIA NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS de Thomas Gordon, pode abrir o seguinte link: